sábado, 3 de maio de 2014

Volta, Lula

O coro “Volta Lula” que tomou conta da mídia e das redes sociais, mais que uma invencionice, é uma farsa. Tenho contatos diários com petistas de todos os níveis e não vi nenhum interessado nesta baboseira. O principal adversário desta sacanagem é o próprio. Acontece que este coro e o bombardeio sistemático, cruel e irresponsável da oposição midiática e da oposição partidária sobre Dilma e o PT anteciparam a campanha política. E isto é bom para Dilma. Dilma governando em tom de campanha é uma beleza para ela. Estúpidos são os que a levaram a isto. O pronunciamento de Dilma Rousseff em cadeia nacional de rádio e TV na véspera do 1º de maio deu o tom. Dilma, portanto, não vai ficar esperando a morte chegar... No dia seguinte, o 1º de maio da Força Sindical, transformado por Paulinho Pereira em um comício de 200 mil pessoas à custa do sorteio de carros e motos, pôs no palanque Aécio Neves e Eduardo Campos para bater no governo, sendo que o discurso mais contundente e mais irresponsável foi o do próprio Paulinho, que, “calibrado” com tequila, pregou seu desejo de ver a presidenta da República, contra quem não corre nenhum processo criminal, engradada na Papuda. O fato é que o 1º. de maio detonou o processo. A campanha política está nas ruas.  Anteontem estive presente a mais um ato histórico do PT. No seu Encontro nacional para discutir Tática Eleitoral, o presidente Rui Falcão comandou uma votação simbólica, pois que antecipada em relação aos prazos da Justiça Eleitoral, pedindo que cada um dos presentes ao auditório do Anhembi levantasse o crachá definindo que a candidata do PT à presidência da República se chama Dilma Rousseff. Vi três mil mãos erguidas, sendo que a primeira foi a de Luís Inácio Lula da Silva. Lula disse que vai à África para umas três ou quatro palestras e reuniões. E aí, a sensação geral foi a de engrossar o coro do “Volta, Lula” dando-lhe consistência; “Volta, Lula”... Volta para as caravanas da cidadania defendendo Dilma para presidenta e Padilha para governador em São Paulo e demais candidatos petistas em vários aos governos de vários estados; “Volta Lula” para enquadrar a mídia golpista com as respostas mais certeiras, ousadas, desconcertantes, contundentes e desnorteadoras; “Volta, Lula” para transformar em palanque qualquer pedaço de chão deste país onde botares os pés; “Volta, Lula” para pegar o discurso trôpego de um candidato bêbado e reduzi-lo a pó; “Volta, Lula” para dizer quem te foi fiel e quem te traiu entre os teus ministros de um passado tão recente; “Volta, Lula para o palanque de Dilma levando vinte, trinta, cem, duzentas mil pessoas, porque neste País só um paladino tem força para arrastar multidões assim sem as bandas e estrelas do showbiz em cima dos palanques a peso de ouro e este líder amado se chama Lula. Mas... Se quiseres, depois de Dilma, em 2018, poderás voltar para governar este País até 2022, ano simbólico da nossa história nacional por ser o do aniversário de duzentos anos da independência do Brasil. E aí, poderás gritar à beira de qualquer ribanceira deste País continental: “Independência e vida”. 

Falseando
Tenho profundo respeito pela história de Ayrton Senna, mas não dá para engolir esta volúpia da mídia em querer transformar o Dia do Trabalho em, Dia de São Ayrton Senna.

Genoíno
“A única coisa que meu pai fez nesta vida foi colocar acima de tudo o ideal dele por justiça social”, disse Miruna Genoíno.

Genoíno II
Uma faixa que circula na internet, diz: “Veja só. Ele foi condenado por corrupção ativa e cumpre pena de quatro anos e oito meses. Genoíno embolsou algum no esquema? Nem um centavo. Colocou a mão em algum trocado? Não. Entregou para alguém? Assinou os empréstimos do PT. Sabe o que a PF concluiu? Que foram empréstimos legítimos ao partido. Este é o corrupto preso do 1º. de maio”.