segunda-feira, 4 de agosto de 2014

A competência dos nossos governantes jogada nos lixões

ORio Grande do Norte ainda possui 177 lixões a céu aberto. Há mais de uma década se fala em fazer aterros sanitários e a promessa continua descumprida. Cheguei a falar pessoalmente com um ex-governador sobre o assunto, sugerindo que fizesse um projeto arrojado para acabar com os lixões no Estado inteiro, mas infelizmente não fui ouvido. O mais grave é que algumas experiências exitosas, como a da coleta seletiva em Areia Branca e em Governador Dix-sept Rosado, em gestões passadas foram simplesmente “jogadas no lixo” pelas gestões sucessoras, mesmo quando os sucessores eram correligionários dos prefeitos que iniciaram a experiência. Em Mossoró, um projeto interessante de Aterro Sanitário deu um alívio na vergonha nacional sobre o lixão com seus mais sete mil porcos comendo restos apodrecidos de comida e sendo depois abatidos para consumo humano. Porcos que disputavam restos no Lixão das Cajazeiras com cães vadios e urubus, mas tendo pelo meio pelo menos duas centenas de seres humanos, como que a ilustrar o poema O Bicho de Manuel Bandeira. Fizemos à época um projeto de reciclagem de lixo com capacidade para geração de renda para pelo menos uma centena de pessoas, projeto que foi entregue à Prefeitura Municipal e que fizeram um arremedo que ainda hoje não se realizou “in totum”. A Ascamari, associação de catadores continua tentando, sem o devido apoio; a Acrevi, associação de recicladores, sob a liderança conhecidíssima de Zefa, continua se arrastando no desejo, mas sem o devido apoio. Inclusive, durante os dias em que estive trabalhando com o prefeito Silveira Júnior, tentei tocar esse projeto em diante e entre todas as barreiras políticas, jurídicas e institucionais que enfrentei, foi esta a pior de todas. Mas aí está. O problema continua a incomodar as nossas populações e a desmoralizar nossas autoridades, especialmente as dos setores de limpeza urbana e as do setor ambiental, tão dadas a discursos fáceis e demagógicos e à prática do “rolando o lero”! quando se trata de dar destino adequado aos nossos resíduos sólidos. Comungo com a ideia que vi certa vez em uma postagem na internet: uma sociedade que não é capaz de dar destino adequado ao seu lixo e aos seus presos, não é capaz de usufruir do lado bom da vida.”

O Papa tudo
O candidato Henrique Eduardo Alves está esquecendo a lição do pai do seu atual correligionário Nelter Queiroz. O deputado Nelson Queiroz, pai de Nelter, era um dinartista ferrenho. Durante trinta anos fez política contra Aluízio Alves, pai de Henrique. Quando Dinarte Mariz estava no leito da morte, Aluízio fez-lhe uma visita e ali selaram as pazes. Um repórter perguntou a Nelson Queiroz se ele estaria incluído no pacote da chamada “paz pública” selada entre os dois caciques. Do alto da sua sabedoria, Nelson Queiroz respondeu educadamente: - “Não. Faz mais de trinta anos que eu e Aluísio fazemos política, eu de um lado e ele do outro. E está muito bom para os dois.”

O Papa-tudo II
Henrique esqueceu a essência da democracia, que é a existência de pelo menos dois lados. Está comprando tudo, passando o trator em tudo, na ânsia de ganhar por WO. Nas cidades onde ele conta com prefeito e oposição, esqueceu de combinar com o povo, respeitando a velha máxima de Garrincha: “já combinou com os russos? O deputado Fernando Mineiro recentemente disse que “palanque que cabe todos os políticos de todos os partidos, não cabe o povo”.

Cadê as pesquisas nacionais?
Jornal e TV Globo anunciaram que já haviam contratado oito pesquisas do Ibope com o Estadão e oito do Datafolha com a Folha de S.Paulo, e que elas seriam publicadas semanalmente. Só que, no dia 22 de julho primeira das oito pesquisas do Ibope, Dilma aparece com 38% das intenções de votos, enquanto Aécio com 22%, Eduardo com 8%, pastor Everaldo com 3% e os nanicos com 1%, representariam apenas 34% dos votos válidos apontando para uma vitória de Dilma no primeiro turno. De 22/7 até hoje, se foram dois finais de semana sem divulgação de pesquisas pelo PIG Estadão, mesmo sabendo-se que tem mais sete contratadas. 

Banqueiros
A reação dos banqueiros, através de Santander, que não querem que Dilma volte a baixar as taxas de juros e o jornal O Globo, dizendo que Aécio arrecadou mais do que Dilma, segundo informações do próprio candidato, mostra que essas pesquisas servem para os doadores de campanha avaliarem a quem vão doar mais. Disso conclui-se que a mídia não está preocupada que Aécio vença as eleições, mas apenas que receba boas doações de campanha e leve a eleição para um segundo turno, quando Dilma será colocada contra a parede para se curvar aos interesses dos insaciáveis banqueiros.