terça-feira, 19 de agosto de 2014

Eu não desisti do Brasil quando estava caindo aos pedaços, imagine agora

O professor Júlio Sosa, no seu blog postou uma reflexão muito interessante em cima da frase do ex-candidato a presidente da República, Eduardo Campos. Faço minhas, as suas palavras:
Eu nunca desisti do Brasil, mesmo quando eu via mais de 40 milhões de pessoas na linha da miséria.
Eu não desisti de lutar por um país que fizesse uma melhor distribuição de renda e incluísse os brasileiros na nossa sociedade.
Eu nunca desisti do Brasil mesmo quando vivíamos de pires nas mãos pedindo esmola ao FMI e que os organismos internacionais determinavam os rumos da nossa economia. 
Eu não desisti de lutar por um país que lutasse por sua autonomia econômica; por um país que não fosse dependente do FMI.
Não desisti do Brasil e vi esse país não só pagar a dívida como emprestar dinheiro ao FMI.
Eu não desisti do Brasil mesmo quando a cada crise econômica que ocorria lá fora o país quebrava aqui.
Eu não desisti mesmo quando os tucanos quebraram o Brasil por mais de uma vez.
E ao não desistir de lutar por um país vi o Brasil enfrentar a forte crise econômica de 2008 gerando empregos enquanto o mundo gerava desemprego.
Enfrentamos a crise sem jogá-la nas costas do trabalhador. No Brasil dos governos do PT não se arrocha salários não podemos desistir dessa forma de governar.
Eu não desisti do Brasil mesmo quando a educação no país era extremamente excludente; não desisti do Brasil mesmo quando as universidades não eram feitas para o filho e a filha do trabalhador e da trabalhadora.
Eu não desisti do Brasil e vi criar o PROUNI, o ENEM e todos os meios que dobraram o número de vagas nas universidades brasileiras, dando espaço aos filhos e filhas dos pobres.
Eu nunca desisti do Brasil mesmo quando se passou oito anos de FHC sem criar novas universidades e onde era proibido criar cursos técnicos.
Eu não desisti de lutar pelo Brasil  e vi esse país criar 14 novas universidades nos governos do PT e mais centenas de cursos técnicos.
Eu não desisti do Brasil mesmo quando não formava o trabalhador permitindo que ele fosse explorado como mão de obra barata. E ao não desistir do Brasil eu vi os governos do PT criarem o PRONATEC onde milhares e milhares de jovens e trabalhadores podem buscar gratuitamente um curso de formação e assim disputar um melhor emprego e uma melhor condição de vida.
Eu não desisti do Brasil e vi esse país  ser o que mais construiu casas populares no mundo. Ser o país que mais distribuiu renda e mudou o perfil socioeconômico.
Eu não desisti do Brasil e vi o governo do PT enfrentar os interesses corporativos das organizações médicas e criar o Programa “Mais Médicos” que levou centenas de médicos às regiões mais distantes do país.
Eu não desisti do Brasil mesmo quando centenas de milhares de pessoas passavam fome por aqui. E ao não desistir do país eu vi os governos do PT tirar milhares de pessoas  da linha da miséria matando a fome de milhares de famílias brasileiras.
O Programa Bolsa Família não só ajudou a matar a fome dos brasileiros e das brasileiras como também, segundo todas as pesquisas, deu autonomia à mulher na condução de suas vidas.
Eu nunca desisti do Brasil e vou continuar mudando esse país junto com milhares de outros brasileiros e brasileiras.  Construindo governos para todos e para todas.

Parabenizando
Parabenizamos o trabalho da Polícia Civil por ter desvendando o crime de assassinato do senhor ... conhecido como Netinho, irmão do ex-prefeito Bibiano Azevedo, da Serra do Mel. E parabenizamos em alto e bom som, com a mesma ênfase com que denunciamos a atitude inconsequente do delegado que primeiro assumiu as investigações e sem ter nenhum indício insinuou que o crime poderia ter motivações políticas, dando a entender que o PT, que teve seu presidente Ednaldo Filgueira assassinado por membros da referida família.

Parabenizando II
Um bom trabalho de investigação e a justiça sendo feita pelos caminhos da própria Justiça. É assim que se faz e não deixando impunes a maioria dos crimes como acontece na própria Serra do Mel, mas de resto acontece em Mossoró e em quase todo o Brasil. Que a prisão dos mandantes do assassinato do senhor Netinho Azevedo, sirva de lição para todos os brasileiros que já têm dificuldade de acreditar na lei e sirva para inibir o clima de faroeste que inferniza a vida da Serra do Mel e região.