sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Dá para combater corrupção com os corruptos?

OK. No PT tem corruptos. Esta é uma verdade que não se pode esconder. E não creio que ninguém queria esconder, muito menos os petistas que não são corruptos. O que os petistas sérios não querem é que a corrupção que vai passando na linha do horizonte, na Caixa Prego e na Baixa da Égua caia no colo do partido. Não quer que se dê ao PT o carimbo de partido que não faz outra coisa a não ser roubar e que a corrupção começou com o PT. Quem faz essa campanha sabe que está praticando uma molecagem histórica e o faz com muita consciência de que não está nem um pouco a fim de combater a corrupção. É a ética seletiva, pois a corrupção, o escândalo, o preso, o condenado, o denunciado só serve para ser manchete, para aparecer no Jornal Nacional, para depor sob constrangimento policial se for do PT. Mesmo que não seja réu em processo algum, como é o caso de João Vaccari, tesoureiro do PT. Não se vê ninguém na mídia preocupado com os bilhões que os tucanos surrupiaram do metrô de São Paulo; Ninguém se preocupa que o Rio Tietê tenha engolido 3,6 bilhões para ser despoluído a e poluição continue bem maior que quando o projeto começou há vinte anos; Não vejo uma linha de preocupação na mídia nem um minuto de pronunciamento da oposição no pequeno expediente da Câmara ou do Senado, sobre a impossibilidade de saber quem era o dono do avião que explodiu com Eduardo Campos; muito menos sobre quem era o dono da cocaína que estava no helicóptero do senador Perrela que agora deverá estar sentando-se à mesa diretora do Senado, também ninguém fala no aeroporto de 14 milhões de reais, feito pelo governo de Aécio, na fazenda do tio de Aécio... Ninguém diz, por exemplo, que Sérgio Machado, filiado ao PMDB desde 2002, presidente da Transpetro, que se demitiu por ser citado na Lava Jato, foi líder do PSDB de 1995 a 2001 e na época conseguiu barrar a CPI da Corrupção contra o governo FHC. Mas ao cair na rede, mesmo sendo do PMDB e tendo sido do PSDB, é peixe podre do PT. Barusco, ex-gerente da Petrobras diz à PF que começou a receber propina em 1997, ainda no governo FHC (PSDB). Mas mídia esconde este pequeno detalhe, pois tudo que há de ruim, tem que parecer que começou com o PT. Em meio a este vendaval de denúncias, ninguém se preocupa de lembrar, como seria digno de um jornalismo sério e competente, que 150 bilhões de reais saíram do Brasil no escândalo do Banestado e que o doleiro da falcatrua tucana é o mesmíssimo Youssef e que o juiz se chamava Moro, ou seja, os mesmos. Mas é como se nada tivesse acontecido antes. Não precisa dizer que a esposa do juiz Moro, da "Lava Jato", é assessora do vice de Beto Richa, do PSDB do Paraná. Quer dizer... Combater a corrupção a gente quer. Mas é com essa gente que vamos conseguir?

Tucanismo
O deputado federal Rogério Marinho, do PSDB potiguar que já mandou e desmandou na Secretaria de Educação do Estado numa gestão que não deixou saudades, anda agora a dar palpites sobre a possibilidade de se acabarem as greves na educação porque o secretário é do PT. Ora, bolas. Besteira besta do deputado. Claro que quando o secretário é do PT a possibilidade de greves diminui porque existe diálogo e a vontade sincera de resolver as demandas dos servidores, com raras exceções, como no caso de Jaques Wagner, na Bahia, quando uma greve de trabalhadores se arrastou por meses. Isso sim, não é coisa de gestor petista. Acabar as greves é a praxe quando os petistas estão no poder, porque existe diálogo, confiança, respeito e não porque os sindicatos se rendam.

Tucanagem
Quando o PT está no comando de um órgão, com raras exceções, existe um diálogo franco com as entidades sindicais e uma busca real de soluções para atender aos anseios dos trabalhadores. Exatamente por isto as greves diminuem ou se acabam. Postura diferente dos tucanos, como Geraldo Alckmin, que só entende a linguagem dos cassetetes e das bombas de gás lacrimogênio.

De lucro e entreguismo
Mesmo estando no olho furacão de uma crise que parece uma “guerra do fim do mundo”, o lucro da Petrobras foi de três bilhões em um trimestre. Exatamente o mesmo valor pelo qual os tucanos venderam a Vale do Rio Doce na bacia das almas. Que moral tem esses cretinos para falar de “Petrobras quebrada”, “esbagaçada”, “acabada”. Antes falar, eles precisam dizer onde socaram os 80 bilhões de dólares que “apuraram” quando venderam “no queima” 120 empresas estatais.