quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Fica Dilma

Em todo o Brasil, petistas e aliados ligados aos segmentos populares começam a se mobilizar para fazer o contraponto ao movimento golpista “Fora Dilma” que prega agora o impeachment da presidenta. Ontem, em Mossoró, aconteceu uma reunião reunindo pessoas de vários segmentos sociais que não concordam com a campanha sórdida que está sendo feita pela mídia venal e golpista com apoio dos velhos udenistas que querem repetir com Dilma, o mesmo golpe que levou Getúlio Vargas ao suicídio, Jânio quarós à renúncia, João Goulart à queda pela força dos canhões e ate Fernando Collor, um deles, que não dividiu o roubo direitinho e caiu por força de um impeachment três. Ontem, três pautas dominaram o noticiário das rádios nacionais. Não posso dizer o que saiu na TV porque não tive tempo de ver. Mas o que mais se falou foi sobre o saldo de quatro bilhões de dólares entre o dinheiro que saiu do Brasil e o dinheiro que entrou, obrigando os comentaristas econômicos, a pior raça de víboras, que rasteja pelos farisaicos salões das redações do PIG, a reconhecerem que, “apesar de tudo” os estrangeiros continuam vendo no Brasil, um grande país para se investir. O outro ponto de pauta foi a valorização do salário mínimo que atingiu com o atual reajuste a condição de melhor poder de compra desde 1965. Duas notícias boas que deixaram as figurinhas carimbadas da mídia política, cheios de línguas e de dedos. Mas teve uma notícia ruim para que eles pudessem chamar de sua. Foi o vazamento de gás numa plataforma de petróleo que matou operários petroleiros e feriu vários outros... Enfim o acidente que eles esperavam ansiosamente para terem o que dizer quando os brasileiros falarem sobre o desastre da plataforma P-36, dos tempos trágicos de FHC. Tudo com cheiro de algo que permite pensar em teorias conspiratórias. Pois, vê-se claramente que um acidente destas proporções vem a calhar neste momento em que se quer destruir a reputação da Petrobras e do governo, para entregá-la às aves de rapina. Finalmente, os petistas, os sindicalistas e os estudantes, os sem terra e os sem teto estão se tocando, de que a articulação de um golpe está em marcha. E que é preciso freá-lo.

Acidente?
O presidente da Federação Única dos Petroleiros (FUP) foi claro. Trata-se de um setor terceirizado, uma atividade que não poderia ser terceirizada, mas que desde os tempos de FHC vem sendo terceirizada, a própria plataforma onde aconteceu o desastre não é da Petrobras, mas é sobre ela que recai a bronca, porque continua com o excesso no aleijão da terceirização a mão de obra de serviços que só poderiam ser feitos com a garantia pela própria empresa.

Cismando
Particularmente, desconfio muito do que aconteceu, como nunca consegui confiar nas versões trazidas a público sobre a morte de Jango, o acidente de Juscelino, a morte de Tancredo e, por último, o acidente aéreo que vitimou Eduardo Campos.

Comemorando
O programa A Voz da Serra, que faço todos os domingos na Rádio Difusora (1.170kHz), vai no dia 22 completar cem programas no ar. Muitos amigos irão tomar o café da manhã conosco na nossa modesta residência na Serra do Mel, de onde faremos o programa ao vivo.

FotoLegenda
A senadora Fátima Bezerra (PT-RN) e a bancada do RN têm audiência com ministro do Desenvolvimento Agrário sobre o subsídio do milho. Em sequência à articulação que a senadora Fátima Bezerra tem feito desde o início do mês, no que diz respeito à retomada da política de distribuição do milho, foi realizada ontem, audiência com o ministro do Desenvolvimento Agrário, Patrus Ananias. Segundo a senadora, o ministro se sensibilizou com a demanda e disse que se reunirá com a ministra da Agricultura, Kátia Abreu, para que sejam feitos os encaminhamentos necessários para a renovação da política de subsídio do milho. Presentes também na audiência o senador Garibaldi Filho e os deputados federais Beto Rosado e Felipe Maia.