sexta-feira, 14 de março de 2014

João Paulo é absolvido do crime de lavagem de dinheiro e JB se ausenta da sessão por não poder condenar

O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quinta-feira, 13, por seis votos a quatro, reverter a decisão tomada no julgamento do processo do mensalão em 2012 e absolver do crime de lavagem de dinheiro o ex-deputado federal João Paulo Cunha (PT-SP). O único ministro que não votou foi o presidente do Supremo, Joaquim Barbosa. Até a conclusão da votação, ele não tinha comparecido ao plenário e a assessoria não explicou o motivo. Mas é fácil concluir que Joaquim Barbosa não foi porque sabia que juridicamente sofreria mais uma derrota na sua sanha vingadora de condenação a petistas. A ausência de Joaquim Barbosa nesta sessão, é mais que um ato de omissão nas suas responsabilidades presidenciais. A ausência depõe sem meios termos, contra a isenção do julgador máximo do máximo colegiado da Justiça brasileira. Prova que Joaquim Barbosa vem agindo de caso pensado na condenação a petistas, o que o desqualifica como juiz e mais ainda como presidente da suprema corte da Justiça brasileira. O mais grave, e com certeza é isso que Barbosão viu que, na sua estupidez comportamental, descontrole emocional e desequilíbrio psicológico, além da sua reconhecida má educação, não suportaria, é o fato de que cai por terra, passo a passo, toda a farsa que ele montou ao lado de ministros que agiram de má fé agredindo a constituição como Gilmar Mendes, Marcos Aurélio de Melo e Ayres Brito.

Chile lava a alma
Com 70% dos votos depois de um governo direitista, Michelle Bachelet, filha de um general perseguido pela ditadura de Pinochet recebe a faixa presidencial da presidenta do Senado, filha de Salvador Allende, o presidente democrático assassinado pelo golpe militar. A direita, lá como aqui, sai desmoralizada.

Isso é “DEMtadura”
O tratamento dentário de José Agripino que passou mamando nas tetas do Estado e sem querer soltar a rapadura, foi pelo Senado, ou seja, por todos nós e custou a bagatela de 51 mil reais, em 2009. Hoje seria bem mais. Foram 22 coroas de porcelana aluminizada. Tratamento de caráter altamente estético e absolutamente antiético. Ainda bem que o Galego do Alecrim não se dispôs a participar do autofágico banquete de carne de jumento servido ontem em Apodi. Pelo menos para isto Agripino não é burro!

Subindo
Sobem as vendas no varejo, sobre a produção industrial, sobe o volume da safra de grãos e, lógico, sobem as intenções de votos em Dilma Rousseff. Por isso a oposição e o PIG soprem pelas paredes.

Interesses
Parafraseando Arnold Toynbee, podemos dizer: O castigo para aqueles que não se interessam pela política é que são governados que interessados e pelos interesseiros. Melhor se engajar e fazer as coisas mudarem.

FotoLegenda

Lucinda Azevedo, proprietária da Editora IMEPH de Fortaleza, poeta Pedro Bandeira, Príncipe dos Poetas Populares do Brasil, no dia da sua posse na Academia Brasileira de Literatura de Cordel (ABLC), Gonçalo Ferreira, presidente da ABLC e este colunista, ocupante da cadeira 26 da ABLC, cujo patrono é Câmara Cascudo. Um momento de glória para o consagrado Pedro Bandeira, na sede da Federação das Academias de Letras do Brasil, na Avenida Augusto Severo, 5, Rio de Janeiro. Momento que antecipou as comemorações deste maravilhoso Dia da Poesia.