sábado, 1 de março de 2014

‘Preferiria não’: a resposta da socióloga Silvia Viana ao pedido de entrevista da Veja

Arepórter Share This escreveu sobre a resposta da socióloga Silvia Viana, autora de “Rituais de sofrimento” à revista Veja. Ao final ela conclui ao estilo do personagem de Bartleby (o Escrivão), do escritor Herman Melville: “preferiria não”. Procurada pela segunda vez pela revista semanal ‘Veja’ para uma entrevista sobre o BBB14, a socióloga Silvia Viana, disse ao jornalista: “Respondo seu e-mail pelo respeito que tenho por sua profissão, bem como pela compreensão das condições precárias às quais o trabalho do jornalista está submetido. Contudo, considero a ‘Veja’ uma revista muito mais que tendenciosa, considero-a torpe. Trata-se de uma publicação que estimula o reacionarismo ressentido, paranoico e feroz que temos visto se alastrar pela sociedade; uma revista que aplaude o estado de exceção permanente, cada vez mais escancarado em nossa “democracia”; uma revista que mente, distorce, inverte, omite, acusa, julga, condena e pune quem não compartilha de suas infâmias – e faz tudo isso descaradamente; por fim, uma revista que desestimula o próprio pensamento ao ignorar a argumentação, baseando suas suposições delirantes em meras ofensas. Sendo assim, qualquer forma de participação nessa publicação significa a eliminação do debate (nesse caso, nem se poderia falar em empobrecimento do debate, pois na ‘Veja’ a linguagem nasce morta) – e isso ainda que a revista respeitasse a integridade das palavras de seus entrevistados e opositores, coisa que não faz, exceto quando tais palavras já tem a forma do vírus. Dito isso, minha resposta é: Preferiria não. Atenciosamente, Silvia Viana”. Pois é, meus caros leitores. A que ponto chegou a Revista Veja...

O jurídico rui
Não falo de Rui Barbosa. Aqui vai mesmo o verbo ruir. O STF, como disse um analista, dificilmente sobreviverá à presidência Blackbloc de Joaquim Barbosa. Ruiu a tese e a condenação do crime de formação de quadrilha contra os dirigentes petistas presos, em votação que honrou a Justiça brasileira diante de um ministro que fez uma sustentação profunda com base na lei enquanto Joaquim Barbosa esbravejava e esperneava.

O jurídico rui II
Num comportamento típico de quem esgrime a gritaria quando os argumentos falham. Já estava provado que o dinheiro usado em todas estas operações não era público. Assim caíram dois pés da mesa posta. O terceiro foi a confissão de Joaquim Barbosa de que tudo foi montado para uma condenação exacerbada como forma de impor o regime fechado a presos que têm o direito de ficar no semiaberto.

O jurídico rui III
Afora os cretinos, os debilóides e os mercenários que são regiamente pagos, tal qual os Black blocs para detonar o PT, ninguém mais defende Joaquim Barbosa. Até mesmo seus aliados do PSdemB e da mídia golpista arrefeceram na defesa. E a candidatura sonhada a presidente da República se retrai.

O jurídico rui IV
Barbosa teve um Dia da República de pirotecnia e está tendo um carnaval só de cinzas. Se existe que dançou de véspera, neste período momesco, ele se chama Joaquim Barbosa.

FotoLegenda
Quem abre a Veja ou assiste ao Jornal Nacional tem a impressão de que estamos vivendo um caos econômico sem precedentes. Entretanto, temos uma inflação baixíssima, e sob controle, temos o menor índice de desemprego da história do País, temos obras como nunca se viu, temos a maior safra de grãos de todos os tempos, temos filas em bancos supermercados, bancos, aeroportos e rodoviárias e temos... quem diria? O terceiro maior índice de crescimento econômico do mundo, perdendo apenas para a China e a Coréia do Sul. Vejamos o ranking:
Não por acaso somos forçados a Veja de inVEJA e a quarta novela da noite de JORNAL IRRACIONAL  e a TV que o transmite de Rede LOBO.