quarta-feira, 19 de março de 2014

Mordomias aéreas abalam a imagem do STF

A sumidade máxima do Judiciário brasileiro tem gozado de verdadeiras regalias com o uso de recursos públicos. Tudo sob respaldo da lei, mas com práticas bem questionáveis em outros poderes. Segundo um levantamento feito pelo Estadão, com base em dados oficiais publicados no site da Corte, Joaquim Barbosa e outros ministros do Supremo Tribunal Federal usaram recursos, no período entre 2009 e 2012, para realizar voos internacionais com suas mulheres, em viagens durante o período de férias no Judiciário, chamado de recesso forense, e em de retorno para seus Estados de origem.
Em quatro anos, as mordomias custaram R$ 2,2 milhões aos cofres públicos. De 2009 a 2012, o Supremo destinou R$ 608 mil para a compra de bilhetes aéreos para as esposas de cinco ministros, em 39 viagens.
Além das passagens, os ministros recebem verba para custear gastos com hospedagem, locomoção e alimentação no período fora de Brasília, calculada em cerca de R$ 1 mil.
O gasto é permitido por uma resolução de 2010. O ato diz que as passagens devem ser de primeira classe e que esse tipo de despesa deve ser arcado pela Corte quando a presença do parente for "indispensável" para o evento do qual o ministro participará.
O presidente do STF, Joaquim Barbosa, utilizou passagens aéreas pagas pela Corte em períodos nos quais estava licenciado do tribunal em razão de problemas de saúde. Ele sofre de dores crônicas na coluna e se submete a diversos tratamentos. Barbosa fez 19 viagens para quatro cidades nos anos de 2009 e 2010 em datas nas quais estava afastado de seus trabalhos na Corte.
Em períodos de recesso, antes de assumir o comando do tribunal, foram registradas 27 viagens ao Rio, São Paulo, Fortaleza e Salvador. Ele também tem o hábito de usar passagens pagas com recursos públicos para passar finais de semana em sua residência, no Rio.
Este é o presidente que quer moralizar o Brasil. Deveria começar pelo próprio poder que preside e que se transformou numa vergonha nacional.

Biruta
A oposição está sem discurso e começa a falar coisas desconexas. Cada discurso dos líderes oposicionistas, reais, virtuais ou midiáticos desmente outro discurso. No afã de achar qualquer coisa que prejudique a imagem do governo Dilma e de tudo que a cerca, não juntam coisa com coisa. Dentro de duas semanas foram de um extremo a outro no discurso antipetrobrás no que se refere ao preço da gasolina.

Biruta II
Depois de falarem que a Petrobrás estava sendo irresponsável e que a empresa iria quebrar por estar sendo irresponsável ao não majorar os preços dos combustíveis, de repente passaram a  distribuir um material dizendo que a gasolina brasileira é mais cara do mundo. Ora, pimbas. Mas uma semana antes não era para aumentar de preço?

Possibilidades
Ouvi de quem sabe o que está dizendo. As possibilidades de candidaturas de Larissa Rosado e Cláudia Regina, as duas protagonistas dos processos de anulação do pleito, todos julgados procedentes, é mínima “minimorum”. Beiram o zero. Ambas, porém, pode-se afirmar estão certas em praticarem com todas as forças da razão e da emoção, o “Jus esperniendis”. Nada as obriga morrerem de véspera.

Sangria
O fato é que as sangrias estão quase desatadas nas artérias políticas que deram vida às duas candidaturas. Aquela mei légua de siglas que tinham embaixo dos nomes de cada candidata em 2012 já estão tomando rumos diferentes.