terça-feira, 16 de setembro de 2014

Cresce a rejeição a Marina Silva

T ereza Cruvinel mata a charada da queda constante de Marina. Não é só a queda que incomoda; é o aumento da rejeição, à medida que ela expõe suas ideias retrógradas e contraditórias. O eleitor mais esclarecido e de postura à esquerda do PT vai se afastando dela, por entender que não pode trocar o certo pelo duvidoso. E o perfil do seu eleitor vai ficando cada vez mais à direita. Vejamos Cruvinel:  Na pesquisa Vox Populi divulgada hoje, Marina Silva aparece com 40% de rejeição, contra 42% de Dilma Rousseff. Um empate técnico na margem de erro, que sugere grande crescimento da rejeição a Marina. A pesquisa Vox Populi não permite uma afirmação taxativa neste sentido porque, não tendo havido outra do mesmo instituto nas semanas anteriores, a comparação torna-se metodologicamente inadequada. Entretanto, uma comparação com as taxas de rejeição de pesquisas recentes de outros institutos sugere forte crescimento da rejeição a Marina, a ser confirmada por novas rodadas. Na pesquisa Ibope de sete dias atrás, por exemplo, Marina tinha apenas 12% rejeição, e Dilma 31%, índice quase três vezes maior. No Datafolha divulgado há seis dias, Marinha apareceu com rejeição de 16%, e Dilma com o dobro, 32%. Na campanha de Dilma, credita-se este provável aumento da rejeição à explicitação das contradições e dos pontos frágeis da candidatura de Marina, levada a cabo por Dilma nos debates e nos programas eleitorais. As questões que mais teriam pesado para o aumento da rejeição e produzido os primeiros sinais de que Marina parou de crescer e começou a desinflar seriam, segundo pesquisa qualitativa realizada para o PT, seu recuo na questão da união homoafetiva para atender ao pastor Malafaia, a vinculação a Neca Setúbal, do Banco Itaú, a pouca ênfase no Pré-sal e a proposta de Banco Central independente. Todas estas questões foram bem exploradas por Dilma nos últimos. As últimas pesquisas mostram que a linha da campanha está correta, diz um dirigente petista, renegando o primeiro ataque a Marina, quando foi comparada a Collor ou Jânio. O que se vai fazer daqui para frente, diz ele, é manter o foco nas contradições e nas fragilidades, chamando o eleitorado a decidir entre o prosseguimento do que foi feito nos governos petistas e a mudança para um projeto pouco nítido e permeado por indicações de descontinuidade. Mas é preciso aguardar novas pesquisas, que permitam a comparação dentro da série de um mesmo instituto, para se ter certeza do aumento da rejeição a Marina.

Descolado
O PT nacional engoliu Henrique com seu palanque demasiadamente versátil. Desestimulou a candidatura de Mineiro para governador e não assumiu às escâncaras a candidatura de Robinson para não deixar que se pudesse dizer que o PT traiu o PMDB. Mas Henrique fez questão de descolar sua campanha de Dilma e do seu amigo Michel Temer, além de botar no mesmo saco o DEM, o PPS, o PSDB e o PSB de Vilma que era lulista e dilmista de carteirinha e agora esculacha o PT para atingir Fátima. Agora é a Folha de São Paulo que sai mostrando um Henrique desolado de Dilma. Além da denúncia de receber propina do homem bomba da Petrobras, Henrique passa a ser visto pelo eleitor como adversário do PT cá e lá. Não dá mais para ficar montado no boi e mamando na vaca...

A que ponto chegamos...
Dez escolas da Rede Estadual de Ensino de Goiás estão tendo suas gestões entregues à Polícia Militar, no município de Valparaíso, onde a violência impera, inclusive com assassinato dentro de uma das escolas. Uma medida necessária, mas uma prova de que a educação faliu, pois se a educação não preparou a juventude da cidade para a vida civilizada está claro que a educação que eles tiveram desde o chamado Pré-Escolar não valeu nada.

Estranho
É muito que Wilma de Faria, mesmo sendo bem melhor candidata que Henrique em disputas majoritárias esteja despencando em queda livre e ele, pesado, ronceiro, colecionador de derrotas para prefeito de Natal não esteja caindo. Segurou-se nos quarenta pontos e mesmo com Robinson subindo, ele não cai, apesar de ter uma gigantesca rejeição. A margem de erro do Ibope pode estar segurando Henrique nos 40% e amarrando Robinson nos 31%. Se Robinson está subindo e os indeciso diminuindo em seu favor e não por Henrique, como entender que Henrique não esteja caindo. Se a margem de erro estiver sendo manipulada, Robinson pode estar com 34 e Henrique com 37, o que configuraria um empate técnico. Mas, o que é fato é que se configura um segundo turno e com a curva de subida de Robinson, um segundo turno é veneno puro para Henrique. Aliás, Henrique sempre se deu bem na foto do Ibope, mesmo nas duas eleições de prefeito de Natal que ele acabou perdendo. As urnas sempre desmoralizando Ibope quando se trata de Henrique.