segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Lula não traiu Henrique. Muito pelo contrário

Agravação de Lula pedindo votos para Robinson Faria causou frisson nos meios políticos, com especialidade no acampamento henriquista. A tentativa é de caracterizar Lula como traidor de PMDB como se o PMDB e, ainda por cima, Henrique Alves fossem exemplos de fidelidade. Este colunista estava no Anhembi em 2 de maio, em um encontro nacional do PT com três mil militantes onde Lula deu o tom da prosa. Era aquele momento em que se falava num prosaico “Volta Lula”. E ele deixou claro que o refrão seria “fica Dilma”. Lula disse mais, deixando claro que quem tinha que cumprir as conveniências do PT diante dos melindres dos partidos da base aliada era Rui Falcão, presidente nacional do partido e Dilma por ser presidente da República e candidata. Estes teriam que engolir alguns sapos para não dar margem a justificativas insólitas sobre supostas traições petistas. Ele, Lula, só teria compromisso com o palanque do PT. E entenda-se por palanque do PT aquele onde o PT estiver na coligação com candidato majoritário ou com um interesse muito elevado na eleição de um governador ou senador de outro partido. Não é o caso do RN. Não é o caso de Henrique. O PT/RN esperou mais do que devia por uma decisão de Henrique depois de muito ter esperado por Garibaldi. Sabia-se que uma chapa Garibaldi governador/ Fátima senadora seria um passeio com nomeação ao final. Não tendo Garibaldi, restava ao PT engolir Henrique para governador, coisa que muitos militantes não queriam, mas estavam, dispostos a suportar. Ele, porém, desdenhou o PT do RN. Conversou besteira demais, achando que poderia enquadrar o PT daqui de cima pra baixo, como Eduardo Campos tinha conseguido na eleição de 2012 causando profundo prejuízo ao PT e a Mossoró, mas abandonando a base aliada para cuidar do seu projeto pessoal. O palanque de Henrique tem o DEM em coligação formal, com José Agripino, prócer do antipetismo em cima do palanque trabalhando para Aécio Neves, junto com Rogério Marinho do PSDB também coligado com Henrique, além de Wilma de Faria, do PSB e o PPS que apoiam Marina da Silva. É gente e sigla demais contra Dilma em cima de um palanque para atrair Lula ou a própria para esta armadilha. Lula está no palanque eletrônico de Robinson Faria. Algo errado? Só duas coisitas. A primeira é que demorou demais, a segunda é que ainda não achou tempo para estar também no palanque físico. Mas se Robinson não ganhar no primeiro turno, tenho certeza que no segundo Lula estará aqui, no seu palanque.

Mala preta
Ontem o comentário era geral. O homem da mala preta está solto no Oeste tentando salvar a candidatura de Wilma de Faria.

Bomba
Buemba, buemba, como diria o Macaco Simão. A jogada da base de Henrique Eduardo de armar uma cassação para Rosalba Ciarlini na Assembleia Legislativa, como fizeram com Micarla na eleição passada, pode se reverter numa bomba de muitos megatons contra o próprio Henrique. Ouvi de setores muito bem postados no rosalbismo que, em havendo segundo turno, Rosalba não vai esperar por tempo ruim. Três meses a mais ou a menos não lhe farão diferença substancial. Ela se dispõe a renunciar ao mandato, entregar o bastão a Robinson Faria, cuja condição de vice vem sendo desdenhada pela campanha de Henrique. E assim ele disputará o segundo turno na condição de governador, com direito a vinte dias de campanha e três meses de mandato, com direito a renovação.

Mineiro
Muito estranha a manchete do jornal Tribuna do Norte, estampado “Deputado Mineiro envolvido em escândalo na educação”. Quase impossível crer que tudo aconteceu por acaso. A manchete cheira a veneno, com vistas a prejudicar a imagem nunca maculada do deputado Fernando Mineiro, que, por sinal esteve ontem em Mossoró aguando seus canteiros de votos.