quinta-feira, 18 de setembro de 2014

E eis que resta provado que a censura ainda existe

Uma constatação da maior importância é a de que muitas leis e práticas dos tempos da ditadura militar ainda estão em pleno vigor no Brasil. Com especialidade a tortura em delegacias e até mesmo em empresas privadas e outras instituições onde os torturadores se auto investem de uma autoridade que não têm e agridem a vida e a lei na maior cara de pau, lembrando que a ditadura foi militar e civil e não apenas militar. Não me canso de lembrar que Joaquim dizia que acabar a escravidão seria difícil mais que muito mais difícil seria acabar a obra da escravidão. E aí está esta obra em forma de preconceito, racismo, discriminação, exclusão e apartação social. Mas, estávamos falando de censura. A tal liberdade de expressão tão defendida pelos órgãos de imprensa e que não é praticada por eles próprios, pois cortam manietam e constrangem seus próprios profissionais com uma linha editorial extremamente autoritária e parcial. E eis que surgiram as redes sociais tirando dos donos de rádios, jornais e TVS o direito de dominar a opinião pública pela força da opinião publicada.  Atarantados, os políticos de oposição que tanto insinuam que o governo brasileiro é autoritário, mesmo que nunca se tenha tudo tanta liberdade de expressão como nestes doze anos de PT no governo da República. No momento estamos vivenciando dois episódios que mostram muito bem quem tem pendores ditatoriais. Aécio processa 66 blogueiros que usam da liberdade de expressão para mostrar seus podres. Já Marina conseguiu com o TSE tirar do ar o site Muda Mais, do Partido dos Trabalhadores que, claro, como instrumento de comunicação do partido de Dilma faz a divulgação positiva de Dilma, do seu governo e da sua candidatura. O ministro Herman Benjamin, do TSE recuou depois que Rui Falcão, como presidente do PT declarou que o site pertence ao partido e os advogados do PT mostraram que é este mesmo o papel de um site de uma instituição partidária. Os dois episódios, porém serviram para expor a fratura das personalidades autoritárias de Aécio e Marina. Já dizia Karl Marx que “a prática é o critério da verdade”. 

Nova Política
Marina declara que quer fazer um governo com os melhores quadros do PT e do PSDB, partidos que polarizam a política brasileira nos últimos vinte anos e que ela diz condenar. O vice, Beto Albuquerque, diz que ninguém pode governar sem o PMDB de Michel Temer, Henrique, Renan e Sarney. José Agripino, do DEM já garante apoio a ela no segundo turno, declaração que lhe custou a coordenação da campanha de Aécio. Tudo bem, tudo bem. Só quero entender qual é a “nova política” que ela prega.

Improvável
O IBOPE quer nos convencer que dos 33% dos eleitores que avaliam o governo como regular, ninguém, absolutamente ninguém, vai votar na Dilma.

Mercado financeiro
Eu fico embasbacado com tanta babaquice sobre este tal Mercado Financeiro e sua influência na economia e nas eleições. O que chamam de Mercado Financeiro que engloba os bancos e os rentistas, representa apenasmente 4% do PIB brasileiro. Todos os banqueiros juntos, incluindo os seus executivo pagos nababescamente  e todos os rentistas juntos não enchem um navio. Ficando muito abaixo de um milésimo do eleitorado brasileiro. E como é que essa titica eleitoral decide eleição? Por que dão tanta atenção ao que este segmento acha de qualquer coisa, d qualquer assunto?  Por isto que o PT vem ganhando há três eleições. O “mercado” dá opinião e é ouvido na imprensa que ele controla, e a massa do Bolsa Família, do Minha Minha Vida, do Prouni, do Pronaf, do Pronatec, do Enem, das cotas, do Luz Para Todos, dos filhos no Brasil Carinhoso, vai pra urnas e decide as eleições. Toca pra frente...