quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

A tietagem e o Tietê

A imprensa brasileira não consegue ver nenhum defeito em governantes e parlamentares tucanos. A falta de água em São Paulo é um escândalo histórico. A operadora do sistema é a Sabesp, empresa do Governo paulista, que é comandado há vinte anos seguidos pelo PSDB. A mídia tem trabalhado de tal maneira que 53% dos paulistas, totalmente imbecilizados, acreditam que a culpa pela crise, é da presidenta Dilma e do prefeito Fernando Haddad, não por acaso, ambos do PT. Não bastasse a incompetência na gestão do sistema, como, por exemplo, a falta de investimento na ligação da represa Billings com Cantareira através de uma adutora que resolveria isso com um simples ato de manejo, ainda temos o fato de que o governo Alckmin distribuiu lucros e mais lucros aos acionistas da Sabesp “esquecendo” de investir no sistema de abastecimento d água. Mas isto também não é por acaso. É a força da visão privatista que prefere dar lucros aos sócios privados que garantir água à população, esta, sim, a obrigação do Estado. O Rio Tietê é outro exemplo do descuido e da incompetência, além da evidente corrupção no governo tucano. Nos vinte anos que os tucanos governam São Paulo, foram destinados 3,6 bilhões de reais, ou seja, mais de um bilhão de euros, na despoluição do rio que poderia estar ajudando a solucionar o problema da água de lá. Mas o rio continua poluído e fornecendo, em vez de água, lama e fedentina. O paulistano, alienado, além de aplaudir, vota. E elege Alckmin em primeiro turno. Só agora, ele admite que existe racionamento em São Paulo. Coisa que todo mundo sabia, mas a imprensa escondia e dava o seu jeitinho de jogar a lama no PT.

Petrobras
Dois milhões e 863 mil barris diários de óleo equivalente. Esta é a produção da Petrobras. A maior de todos os tempos. E ainda dizem que a empresa está se acabando. Fazer o quê, né?

Animação
Estive em Natal. Fui ao Centro Administrativo. A mudança de clima é evidente. Muita animação em busca de soluções no governo novo. Soluções que estavam represadas pela forma excessivamente concentrada de resolver as coisas que se verificava no governo anterior. Aquele centro administrativo nas últimas vezes em que andei por lá, parecia um cemitério.

Chuvas
Chuvinha animadora que aconteceu na noite de 3 de janeiro na Vila Amazonas não se repetiu. Foram 48 milíme-tros. O suficiente para animar os colonos ao plantio. Cerca de 500 hectares de melancia  já estavam plantados no `seco` ou foram plantados nos dias seguintes à chuva. Chuva não veio mais. Porém o clima de animação com a possibilidade de um uma quadra chuvosa razoá-vel, melhorou. E muito.