terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Prefeito do PT implanta tarifa zero em Maricá-RJ

Enquanto em várias cidades do país as pessoas vão às ruas protestar contra o aumento das passagens de ônibus, uma cidade do Rio de Janeiro vira notícia no Brasil inteiro por oferecer, desde dezembro último, Tarifa Zero, ônibus de graça para a população. Essa cidade é Maricá. O Blog do Mello procurou o prefeito de Maricá, Washington Quaquá, que também é presidente do PT no estado do Rio de Janeiro, para saber como funciona a Tarifa Zero na cidade e se essa gratuidade pode ser levada ao Brasil inteiro, especialmente a metrópoles como Rio e São Paulo. O prefeito falou para o Blog do Melo como Maricá conseguiu oferecer a seus moradores aquilo que os movimentos populares estão reivindicando nas ruas, ou seja, transporte público gratuito, bandeira dos movimentos de junho do ano passado. Ele disse que para conseguir basta querer enfrentar o poder político e econômico dos empresários de ônibus, que são uns dos maiores financiadores de campanhas hoje em todo o Brasil. Diz que o direito de ir e vir é um preceito constitucional e o transporte uma obrigação do Estado, segundo a  Constituição. Só que no Brasil os interesses privados sequestraram esse direito da cidadania. Como a educação e a saúde, o transporte também deveria ser público e gratuito. Para garantir esse direito, o prefeito de Maricá criou uma autarquia pública, fez um investimento razoavelmente modesto para o beneficio gerado, com os recursos dos royalties do Petróleo. Comprou 13 ônibus. Isso não chegou a 07 milhões de reais. E não gastou mais que 700 mil com o custeio mensal. Ainda pretende comprar mais 20 micro-ônibus elétricos, sem emissão de CO2, para completar a frota e trazer a população de diversos bairros para as nossas linhas circulares. Mais de 70% da população, de um extremo a outro do município já recebe o benefício. São mais de 200 mil passageiros transportados em menos de 30 dias!

Cunha
Estamos vendo uma possibilidade concreta de termos um político de carteirinha dirigindo o Poder Legislativo do Brasil, na condição de segundo nome na hierarquia para assumir a Presidência da República, em caso de afastamento da presidenta Dilma. Eduardo Cunha não é apenas do grande picareta que Ciro Gomes já qualificou. Ele é um cara que teve papel de destaque dentro do esquema PC Farias, o maior escândalo de corrupção registrado com provas no Brasil, tendo levado o Presidente da República ao impeachment. Agora é um dos principais envolvidos no escândalo Lava Jato.

Botando Cunha
Como ele não é do PT e é claramente um desafeto da presidenta Dilma e defensor da mídia golpista, inclusive com um claro compromisso de não permitir a regulamentação da mídia, tudo pode. Nenhuma denúncia de peso será levantada contra ele na mídia. Ninguém questionará o fato de ter um bandido dirigindo a Câmara Federal. É evidente a ideia de mandá-lo pra lá para servir de cunha aos propósitos do governo, especialmente os bons propósitos.

Silêncio
Nos últimos tempos, fugindo àquela lógica de dar cem dias de trégua a um governo que está começando mesmo que seja em segunda edição, Aécio neves, não perde oportunidade de botar a boca no trombone. Qualquer assunto polêmico, ele manda o verbo. Mas ficou em silêncio sepulcral sobre o fuzilamento do brasileiro traficante de cocaína, na Indonésia. Um tema que inspira muitos comentários, por envolver a pena de morte, o tráfico de drogas que tanto infelicita o Brasil, por ter envolvido a presidenta Dilma no seu pedido de clemência. Então, porque será que Aécio fechou seu longo bico de tucano?