quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Bloco parlamentar é criado para eleger Chinaglia e garantir a governabilidade

Em matéria assinada por Gisele Federicce, o site 247 registra a formação de um bloco de oito partidos para garantir a eleição de Arlindo Chinaglia e se manter depois garantindo a governabilidade mantendo unida uma base sólida de capaz de aprovar as matérias de interesse do Palácio do Planalto. Na reta final da campanha à presidência da Câmara dos Deputados, o PT lançou na última quarta-feira, 28, em um almoço que reuniu presidentes e lideranças de oito partidos, além de cinco ministros, uma ofensiva para garantir apoio ao candidato petista Arlindo Chinaglia (SP). A proposta foi formar um bloco de atuação na Câmara em torno da candidatura e das pautas que o governo pretende organizar neste ano. Os ministros presentes no encontro foram Pepe Vargas, das Relações Institucionais, Ricardo Berzoini, das Comunicações, Gilberto Kassab, das Cidades, Gilberto Occhi, da Integração Nacional, e Antonio Carlos Rodrigues, dos Transportes. "Esse bloco, sendo constituído, tem uma importância vital para a governabilidade do País", comentou o deputado José Guimarães (PT-CE), vice-líder do governo na Câmara e vice-presidente do PT. Três siglas – PP, PR e PRB – ainda consultarão suas bancadas, enquanto PT, PROS, PDT, PCdoB e PSD já aprovaram a ideia. "Qualquer que seja o resultado, nós do PT estamos apoiando a formação desse grande bloco, que foi uma extraordinária iniciativa política", disse Guimarães. Segundo ele, o PT, que, como maior bancada, tem prioridade na escolha dos cargos caso Arlindo Chinaglia seja o novo presidente, "está disposto a fazer concessões" na mesa e em comissões, por exemplo, a fim de angariar aliados. "Vamos continuar trabalhando muito" até a manhã de sábado, 31, quando será "concluído o processo" de formação do bloco, disse o parlamentar. O deputado definiu como "decisiva" a articulação para a vitória do petista no próximo domingo, 1.º. O vice do PT se mostrou confiante com a vitória de Chinaglia. "Temos um lado, vamos fazer um debate de alto nível, trabalhar muito para vencermos a disputa, e se der, até vencer no primeiro turno", ressaltou. "Nossa expectativa é que, havendo segundo turno, a maioria migrará para o Arlindo", acrescentou, otimista. Ele defendeu uma campanha com "menos acusações e mais ideias", mas evitou criticar o principal adversário do PT na disputa, o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). "São visões diferentes sobre o País e sobre o Congresso", pontuou. Para Guimarães, entre os quatro candidatos, não há "o de oposição e o de governo, mas visões diferentes".

Quem diria?
Em São Paulo, a polícia prendeu uma pessoa que estava roubando água em uma gráfica.

Onze... doze
Ontem, pela manhã, este colunista estava ouvindo o programa Voz do Povo da Rádio Difusora, quando o repórter José Antônio falava de onze homicídios em Mossoró nestes primeiros dias do ano. O apresentador Carlos Nascimento indagou José Antônio sobre um novo homicídio que teria havido no Jucuri. José Antônio disse que iria consultar o Ciosp, mas não me deu tempo de ouvir o resultado da consulta.

Ações e falações
Ações da Petrobras sofrem queda, mesmo com lucro de mais de 3 bilhões, mesmo com a descoberta de novos poços de petróleo e gás em Alagoas e Sergipe e mesmo com a empresa batendo Record em refino. A imprensa faz um verdadeiro alarido. Ações da Sabesp caem. A Sabesp é aquela empresa que “cuida” da água, ou melhor, da falta d’água de São Paulo e a imprensa não dá um pio. É a imprensa brasileira. Safada, cretina, a serviço de George Soros, que a cada queda de ações da Petrobras investe os tubos comprando. E ninguém pergunta por que ele compra quando elas caem. E ninguém questiona por que elas caem quando ele quer comprá-las. Como diz Zé Ramalho: É o Brasiiiiiiiiiiiil.

FotoLegenda 
Morre no Rio de janeiro a atriz Evangelina Orico, conhecida como Vanja Orico. Surgiu no cenário artístico cantando Mulher rendeira, tema do filme "O Cangaceiro" (1953), de Lima Barreto, mas começou sua carreira cantando no filme "Mulheres e Luzes", em 1950, uma produção do cineasta Federico Fellini, quando estava na Itália estudando música. De volta ao Brasil, fez sua estréia no cinema brasileiro no clássico O cangaceiro, premiado no Festival de Cannes e sucesso no mundo inteiro, o que rendeu a ela o reconhecimento internacional, fazendo apresentações na Europa, na África, no Caribe e nos Estados Unidos. Gravou discos na França e foi recordista de vendas no Brasil. Foi capa das principais revistas da época. Uma marca forte da sua trajetória no cinema é sua presença em vários filmes do Ciclo do Cangaço, do qual é uma das musas. Além do citado O cangaceiro, também participou de Lampião, o rei do cangaço (1964), Cangaceiros de Lampião (1967) e Jesuíno Brilhante, o cangaceiro (1972). Por ter participado das filmagens de Jesuino Brilhante no Rio Grande do Norte, comentava-se que Vanja era de origem potiguar, mas não encontramos esta confirmação nas suas biografias constantes na internet. Kidelmyr, Gemaia ou outro pesquisador pode nos socorrer se tiver alguma informação precisa sobre o assunto.