quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Chico Buarque lembra o óbvio: o petróleo é nosso

Ocantor e compositor ícone da Música Popular Brasileira Chico Buarque criticou nesta segunda-feira, 14, o projeto do senador José Serra (PSDB-SP) que prevê mudanças nas regras do pré-sal. Em vídeo divulgado na internet, Chico critica a "cobiça permanente" em torno da Petrobras e disse não acreditar que "a sociedade aceite se desfazer do pré-sal". "O petróleo é nosso. Esse é um velho lema que deve ser mantido e lembrado sempre, porque há uma cobiça permanente em torno da Petrobras e, agora, com essa história toda em torno do pré-sal e de conquistas nossas, dos nossos governos desde os tempos de Getúlio, que volta e meia são ameaçadas por esse tipo de investida", afirmou. As críticas de Chico foram feitas em um vídeo gravado pelo fundador e líder do movimento, João Pedro Stédile. Chico recebeu petroleiros, sindicalistas e integrantes do MST para uma partida de futebol contra seu time amador, Politeama, no Rio. "Eu não acredito que passe um projeto desses no Senado e não acredito que a sociedade vá aceitar se desfazer da Petrobras, do pré-sal e tudo mais", concluiu o compositor. O projeto tira a obrigatoriedade da Petrobras de participar com 30% em todos os consórcios de blocos do pré-sal, além de ser operadora única de todas as áreas.

País das contradições
Eis o País onde tudo fazem para cassar um ex... Nada estranho na pátria da hipocrisia, onde milhares de corruptos estão lutando para cassar por corrupção uma presidente contra quem não há nenhuma prova. Nas ruas, usam-se os direitos e espaços da democracia pedir a volta da ditadura. Êh, Brasil...

Doação oculta
Câmara aprova doação oculta para campanha. Tradução: corruptos. O país só foca na Dilma, o resto se esbalda.

Preconceito: Lá como aqui
Uma mulher negra está processando a cidade de Nova York, nos Estados Unidos, após ser vítima de preconceito. Kamilah Brock foi mantida oito dias em um hospital psiquiátrico depois que um policial não acreditou que o carro de luxo que ela dirigia era seu. Kamilah foi mantida contra sua vontade em um hospital psiquiátrico, onde foi desnuda e sedada com remédios, por oito dias porque um policial não acreditou que a BMW que ela dirigia era de sua propriedade. A banqueira de 32 anos foi abordada no bairro do Harlem no início deste ano. O policial, que não quis se identificar, questionou a mulher sobre o porquê de ela não estar com as mãos no volante de sua BMW. As informações são do Huffington Post.