segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Para juntar 2 bilhões, o PT não precisa de cleptocracia

Gilmar Mendes não sabe nada de Matemática. Nem de cleptocracia, exceto no que lhe compete... Disse que o PT executando um projeto de perpetuação no poder, em muitos anos de roubos nas estatais, ora freados pela Operação Lava Jato, teria acumulado 2 bilhões de reais. Dinheiro, segundo ele, suficiente para custear campanhas eleitorais até 2.038. Ora, até a próxima campanha presidencial, em 2018, temos que atravessar 35 meses. Então, se um petista puser numa caderneta de poupança 3.62% do salário mínimo, isto é, R$ 28,57 a cada mês, chegará à campanha de 2018 podendo contribuir para a campanha de Lula, com 1.000 reais. E olha que não estou incluindo os juros. Mas como os petistas esperam que seja aprovada a CPMF, de repente pode ficar uma coisa pela outra. E os dois milhões de filiados, com mil reais, cada um, já poderão depositar na conta da campanha, nada menos que os dois bilhões que Gilmar acha que demorou tanto tempo de “cleptocracia” para se conseguir. A estupidez de Gilmar está provocando os petistas a começarem a fazer suas poupanças com vistas a 2018. Basta poupar menos de 4% do salário mínimo por mês, ou seja, o equivalente a menos de dez cervejinhas ou de dez litros de gasolina para eleger Lula de novo. Se os petistas se revelaram capazes de levantar quase um milhão de reais em apenas uma semana para tirar Zé Dirceu da Papuda, imagine-se do que o partido é capaz para colocar Lula lá no Planalto, de novo. E ainda tem os simpatizantes. E muita gente que colabora com uma boa grana. Então, dois bilhões, para o PT é um simples mutirão e não um reinado de roubalheira.

Botando gás
É duro ver-se um botijão de 13 quilos de gás de cozinha vendido a 55 reais. Eu mesmo acho muito caro. E vejo que subiu acima da inflação. Mas uma comparação precisa ser feita para sabermos se os críticos estão com a razão. Nos tempos de FHC, um botijão de gás custava 26 reais enquanto o salário mínimo estava em 200 reais. Isso quer dizer que com um salário mínimo o trabalhador brasileiro poderia comprar 7,5 botijões de gás e ninguém reclamava. Agora que estão achando a situação caótica, um salário mínimo de 788 reais consegue comprar 14 botijões de gás. Quase o dobro dos tempos do Tucanistão. Quer dizer. A coisa está ruim, mas não se pode esquecer que já foi bem pior.

Costa por Costa
Tem um prefeito no ABC Paulista detonando Lula. O nome dele é Tito Costa e quando foi candidato a prefeito, usava um slogan que diz muito da sua personalidade e competência: “Bosta por bosta, vote em Tico Costa”. Eis um prefeito sem disfarces. Ele cheira mal, mesmo.

Auxílio-Moradia
Seis promotores de justiça do Piauí rejeitam o tão condenado auxílio-moradia que foi estendido pelo ministro Luiz Fux aos Estados que não o concediam. Além de renunciar ao auxílio-moradia, a promotora Leida Diniz se recusa a receber também o auxílio-alimentação no valor de 1.000 reais por considerar vergonhoso. “Não recebo porque o que ganho dá para eu morar e me alimentar com dignidade. É imoral eu receber o auxílio-moradia num valor que é muito acima do rendimento da maioria da população”, desabafa. Não recebem o auxílio no Piauí, as promotoras: Cláudia Portela Lopes, Cleia Cristina Ferreira Fernandes, Leida Diniz; os promotores: Fernando Santos Márcio Rocha e o presidente da Associação Piauiense do Ministério Público (APMP), Paulo Rubens Rebouças.

FotoLegenda
Este é o terceiro papa que aperta a mão de Fidel Castro. O único líder político mundial a gozar desta tripla honraria. Os livros Fidel e a Religião, de autoria do brasileiro Frei Beto, e A Ilha, de Fernando Morais, duas grandes obras que li há trinta anos, explicam os motivos desta deferência de pontífices católicos ao líder de uma revolução que não tem inspiração religiosa. Fidel e a Religião, de Frei Beto, foi o presente de Fidel Castro ao Papa Francisco.