quarta-feira, 5 de novembro de 2014

A oposição exibe como vitória o acesso a dados que já eram públicos

Há poucos meses a oposição esgoelou-se no Congresso Nacional e na mídia golpista falando da descoberta de perguntas supostamente abertas com antecedência para dirigentes da Petrobras, na CPMI que investiga a empresa. Logo restou provado que os dados eram públicos, pois há mais de três meses dormiam no site da CPMI. Portanto, um factóide a mais, esporte predileto da oposição leviana e incompetente. Agora, mais uma vez, nos alerta do combativo “Santanley Burburinho” no tweeter, a velha mídia tenta enganar jovens incautos. Diz que o TSE acatou o pedido do PSDB para analisar os dados da eleição. Só que o TSE negou solicitação do PSDB para que fosse formada uma comissão pluripartidária para a análise comum dos dados, uma vez que o PSDB não tem legitimidade jurídica para atuar em nome de outros partidos. A velha mídia está mentindo para os incautos. A velha e carcomida mídia diz que o "TSE deu acesso ao PSDB aos dados da eleição". Mentira! Esses dados são públicos. Qualquer partido pode acessar esses dados. Querem enganar os otários de sempre. Qualquer um de nós pode ter acesso aos dados que o TSE liberou para o PSDB via aplicativos do TSE.

DEMóstenes
O ex-senador Demóstenes Torres está “em age” de ser premiado com a impunidade. É o Brasil do antipetismo. É o Brasil de Gilmar Mendes, do STF seletivo, da mídia que só mostra corruptos de um lado, ainda que alguns dos acusados nem o sejam. É o Brasil que não vê corruptos da oposição, mesmo que tantos o sejam e que isto esteja devidamente provado e comprovado.

Será que será?
Aécio neves disse ontem na tribuna do Senado da República: “Disputamos a eleição falando a verdade”. Afirmou isto com a mesma convicção com que disse todas as mentiras da campanha. PSDB passa CAMPANHA INTEIRA chamando PT de CORRUPTO. Terminada a eleição e o prefeito e o vice de Taubaté, ambos do PSDB, são cassados por corrupção.

“Falha” de São Paulo
De acordo com o Portal dos Jornalistas, um novo corte na Redação da Folha de São Paulo teria começado na tarde/noite de anteontem, com a saída de 15 profissionais, e continuaria ontem, podendo chegar a 25 jornalistas. O objetivo do corte seria ajustar as contas do exercício que se encerra. Fonte do jornal confirmou as saídas da repórter Flávia Marreiro, ex-correspondente em Caracas; Lívia Scatena, de Gastronomia; Euclides Santos Mendes, editor do Painel do Leitor; Samy Charanek, pauteiro de Cotidiano; Gislaine Gutierre, da Ilustrada; e Thiago Guimarães, coordenador adjunto da Agência Folha.