segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Quando vale a honra de uma pessoa de bem?

Num mundo malucamente capitalista como o nosso, onde tudo é tabelado em preço como se mercadoria fosse, fica difícil saber quanto vale ou o que vale a honra de um cidadão ou cidadã. Já ouvi muito a frase: “Tenho um nome a zelar”. Ou “O único patrimônio que possuo é o nome limpo e não posso abrir mão dele”. No mercado de valores financeiros, os nomes das empresas, ou como se usa chamar, as marcas, valem dinheiro. E sendo boas marcas podem valer muito. Impossível saber quanto valem as marcas “Coca-Cola”, “Toyota” ou “Microsoft”. Uma empresa dessas, chegando à falência, mesmo não tendo mais patrimônio físico ou financeiro nenhum, ainda poderia ganhar uma fortuna incalculável vendendo somente o nome. Há nomes de empresas de empresas ou produtos tão fortes que viraram sinônimos dos produtos batizados: Gillete, por exemplo, virou sinônimo de lâmina de barbear; Bombril, de lâmina de aço; Vitrola, de toca-discos; Caterpillar, de motoniveladora. Não é estranho alguém pedir uma “Malzebeer” e o garçom trazer uma cerveja preta de outra marca, Caracu, por exemplo. Até nomes de pessoas podem virar marcas, sinônimos também, como é o caso de “Pelé”, um apelido que virou sinônimo de competência ou de sucesso. Quem não já ouviu que “fulano de tal é um Pelé”, assim como “Sandwich”, nome de um empresário que gostava de comer pão com carne dentro passou a ser nome de um tipo de comida que invadiu o mundo, da mesma forma que “Linchar” deriva de um certo “Linch” que juntava pessoas para fazer “justiça” com as próprias mãos em atos coletivos de barbárie que ficaram conhecidos, como “Lei de Linch”, que derivou em verbo. Muitos cientistas tiveram seus nomes vinculados a doenças, como “Alzheimer” ou ao objeto de sua cura, como a “Vacina Sabin” contra poliomielite. Toda essa divagação em cima de fatos concretos é para perguntar, quanto vale a honra de um executivo sério, nunca envolvido em nenhuma falcatrua, mas que de um minuto para outro foi jogado às primeiras páginas de todos os jornalões da imprensa golpista como um corrupto contumaz depois que um delegado da Polícia Federal, por força de um erro lançou seu nome à lama como propineiro da Operação lava Jato. Trata-se do atual diretor de abastecimento da Petrobras, José Carlos Cosenza. Teve jornal que adiantou até mesmo sua demissão. Depois... Bom. Depois de reconhecido o erro por parte do delegado, nenhum pedido de desculpas na imprensalona. Esta mesma imprensa que destruiu a empresa e a vida dos donos da Escola de Base, acusada na mídia, sem provas, da prática de pedofilia com seus alunos e que acabou depredada e fechada para séculos sem fim, amém... O delegado que cometeu o “erro”, é o mesmo que chamava Lula de “anta”, quando, como cidadão e membro de uma corporação vinculada ao Governo Federal, devia respeito ao homem que o povo brasileiro elegeu para ser o presidente da República, autoridade máxima do País. Mas... O cara não sofreu nenhuma punição na época e acabou achando-se no direito de destruir a moral de qualquer um, usando o seu cargo a serviço de alguém que quer o quanto pior melhor para, como os urubus, se alimentar da carniça.

Perdedor
Na inauguração do Parque Eólico da Voltália em Areia Branca, conversei bastante com o chefe da Casa Civil, Carlos Augusto Rosado. Na ocasião, veio nos cumprimentar o ex-prefeito de Natal Aldo Tinoco. Quando Aldo saiu, Carlos Augusto contou um episódio do início da campanha passada. Estava em um restaurante de Natal e encontrou Aldo Tinoco, que o cumprimentou gentilmente e lhe perguntou o que estava achando da disputa de governador. Carlos disse que emitiu a sua impressão daquele início de disputa quando Henrique estava disparado na frente de Robinson: - Acho que Henrique ganha a eleição... Aldo retrucou: Ganha nada. Henrique perdeu até para mim...

Chuvas
Neblinas caíram em Mossoró e região anteontem. Deu para esfriar um pouco o tempo, mas nada animador diante de três longos anos de seca. Os meteorologistas afirmam que ainda não é hora de se ter clareza quanto à expectativa de chuvas para 2015. El Niño está se dissipando lá para as bandas do Pacífico, mas nada garante ainda que ele nos deixará em paz.