sexta-feira, 17 de julho de 2015

Eduardo Cunha no rumo de Severino Cavalcanti

Já fiz aqui neste espaço este paralelo. O fim de Eduardo Cunha será o mesmo de Severino Cavalcanti, “Biu dos Relógios”, que conseguiu a expulsão do padre Vito Miracapillo do interior de Pernambuco, por ter se recusado a celebrar missa no 7 de setembro, em louvor a uma independência que de fato não houve. Ao conseguir este feito reacionário, Cavalcanti se achou uma expressão nacional e chegando a deputado federal articulou o baixo clero da Câmara e conseguiu ser o presidente da Casa, cargo que corresponde também a uma espécie de 2.º vice-presidente da República. Diante do Mensalão, em 2006, “Biu dos Relógios” se viu em condições de assumir a Presidência da República, pois bastava cassar Lula e Zé Alencar e ele seria a bola da vez. Simples assim. Como muitos idiotas, ele considera Lula um “pato morto”, assim como muitos agora consideram Dilma Rousseff. E Passou a agir da mesma forma cretina que agora age Eduardo Cunha. Mas logo foi abatido por uma denúncia de propina da ordem de dez mil reais mensais para “facilitar” o aluguel de um restaurante da Câmara Federal. Agora é Eduardo Cunha que, depois do seu primeiro semestre de celebridade, começa a entrar em um pântano de 22 processos onde sofre acusações as mais diversas, todas, porém ligadas à corrupção desbragada. A propina de Cunha denunciada na Lava Jato é simplesmente mil vezes maior que aquela que levou Severino Cavalcanti a perder o cargo de presidente e o mandato de deputado federal. De 10 mil reais de Severino pulou para 10 milhões de reais de Cunha. Por fim, um delator da Lava Jato o denuncia concretamente, sem meias palavras. É Júlio Camargo, da Toyo Setal. Disse ao juiz Sérgio Moro, e o vídeo vazou, que Eduardo Cunha teria sido responsável pela cobrança de 10 milhões de dólares de propinas referentes a dois contratos de US$ 1,2 bilhão de navios-sonda, assinados pela Petrobras entre 2006 e 2007. Segundo Renato Rovai, “esta é a tampa do caixão político do presidente da Câmara Federal que já vinha perdendo força no Congresso, apesar de todo seu comportamento de dono da Casa”. Rovai aponta Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE), como termômetro do clima desfavorável que já rola nas altas rodas políticas, contra o presidente da Câmara. Já começam a tratá-lo como um defunto em início de decomposição. Quem viver, verá. Como dizia minha avó: “Quem mexe com muitas pedras, uma lhe cai na cabeça”.

Achacadores
Eduardo Cunha na hora de negociar propina teria declarado que tem domínio sobre 260 deputados federais. Resta agora saber quem são os outros 39 achacadores de Cid Gomes falou na tribuna da Câmara Federal

Desconfiança
O blogueiro Miguel do Rosário desconfia desses dois vazamentos de repente, não mais que de repente, contra Eduardo Cunha, na Operação Lava Jato. Não desconfia de que possa ser falsa alguma acusação a Eduardo Cunha, mas que tudo isso pode fazer parte do jogo do golpe. Botar Renan e Cunha no canto da parede promovendo o golpe contra Dilma.

Quanto vale?
A Vale foi vendida em 1997 pelo FHC por US$ 3,558 bilhões, a mesma quantia que atualmente costuma lucrar em apenas um único trimestre. Quanto vale a Vale?

FotoLegenda
Jornalista da Folha de S.Paulo, demitido, fez seu último desabafo, ao compor um texto cujas iniciais de todos os parágrafos juntas, formam a frase “Chupa Folha”. A resposta ao autoritarismo e ao ódio da mídia brasileira está começando a aparecer de todos os recantos.