segunda-feira, 9 de junho de 2014

Nunca na história de nenhum país

Gilvan Curvelo, ao que me parece um cidadão comum, postou nas redes sociais um comentário incontestável. Do tipo “quase perfeito”. E não é perfeito porque poderia ser dito muito mais. Vejamos:  “O PSDB governou por oito anos, não teve Copa do Mundo no governo deles, nem Olimpíadas, nem Copa das Confederações. Mas não fizeram uma universidade sequer, nem hospitais, nem escola, nem ferrovias, nem estaleiros, nem pontes sobre o Amazonas, nem estradas, nem reformaram aeroportos, nem compraram caças para a Força Aérea Brasileira, nem pagaram a dívida com o FMI, nem reajustaram o salário mínimo de acordo com a inflação, nem fizeram Prouni, FIES, Minha Casa Minha Vida, nem Bolsa-Família, nem Ciências Sem Fronteiras, nem Transposição do São Francisco, nem Pré-Sal, nem coisa nenhuma! Ahhh! Fizeram, sim. Venderam tudo aquilo que conseguiram e embolsaram o dinheiro”. Acrescento: não fizeram o Luz Para Todos, nem fizeram mais de trezentos Institutos Federais de Educação, nem triplicaram o orçamento da saúde, nem fizeram o Mais Médicos, Nem triplicaram a safra de grãos no País, nem aumentaram o consumo de leite em 55%, nem puseram em prática a Merenda escolar com grande parte vindo da agricultura familiar, comprada aos próprios pais dos alunos a preço justo e sendo distribuída de graça nas escolas, nem abriram mais de 40 mil vagas por concursos, sendo mais de vinte mil só de professores universitários, nem fizeram o programa Caminho da Escola com a entrega aos municípios de mais de 70 mil ônibus escolares, nem fizeram o Mais Alimentos, com mais de 50 mil tratores nas pequenas propriedades rurais, nem fizeram um milhão de cisternas nem seguraram o preço da gasolina por dez anos, nem proporcionaram ao País o menor índice de Risco Brasil, a menor taxa de desemprego, a maior reserva de dólares de todos os tempos, a menor inflação desde que começou o Plano Real, nem fizeram o maior programa de creches de tempo integral, com mais de duas mil construídas, mais de duas mil em obras e mais outras duas mil em fases de projetos e de credenciamento das prefeituras com a comprovação da titularidade do terreno para receber a bolada e construir, nem  baixaram os juros básicos de 27% para 8,5% com oscilações recentes, mas ainda o mais baixo de quase todos os tempos, nem o maior programa de saneamento básico de todos os tempos. Enfim... Se o problema do Brasil fossem os gastos com a Copa do Mundo, tudo que se reivindica em saúde, educação, segurança e mobilidade urbana tinha sido feito nos dois governos tucanos. Ou, quem sabe, no governo Itamar, quando FHC era o ministro plenipotenciário, ou no de Sarney, dentro do qual eles estávamos tucanos e demos, ou no de Fernando Collor que inaugurou o neoliberalismo radicalizado depois por FHC ou nos cinco governos de gorilas fardados que nos roubaram a democracia e desgraçaram o País ou mesmo antes ,no de Jango, no de Jânio, no de JK, no de Café Filho ou do próprio Getúlio Vargas no seu segundo governo que foi depois da Copa de 1950. Arre, égua! Tá bom dessa gente boba que acha que a Copa do Mundo é a desgraça do Brasil se debruçar sobre os últimos sessenta anos de História do Brasil e não só sobre os doze anos de PT no governo federal que tem o melhor balanço em todos os sentidos. De modo que podemos dizer a plenos pulmões que nunca na história deste, nem de nenhum outro País se fez uma Copa do Mundo, fazendo-se concomitantemente tantas e tão boas ações governamentais em favor da maioria.

Crack
Dos 75% dos municípios do Ceará com nível grave de problemas com a circulação do crack, apenas 24 alegaram possuir programas de combate à droga. Cravando raízes na miséria das periferias, invisível aos olhos do Poder Público, o crack foi, aos poucos, marcando seu território no Brasil. Em cerca de 20 anos, período transcorrido após a primeira apreensão da droga no País, em 1990, a substância – de efeito intenso, preço baixo e fácil acesso – foi angariando usuários em todas as classes sociais, idades e sexos. Transformou-se no narcótico mais consumido e vendido nos Estados, circulando desde os conturbados centros urbanos até as regiões mais remotas.

Obras
Os que falam mal das obras da Copa do Mundo nas cidade-sede deveriam dar uma passada pelas cidades que não são sedes de jogos. Praticamente não há obras. Especialmente obras de grande porte. Por aí se vê que a Copa do Mundo traz mais benefícios do que podem imaginar os urubólogos em geral.

PSB X PSDB
Vice-presidente nacional do PSB, o ex-ministro Roberto Amaral não quer saber de vincular seu partido à oposição a Dilma Rousseff e rejeita qualquer aproximação com o PSDB. “Eles (o PSDB)  passam por uma crise de impotência e querem nos usar como Viagra. Os tucanos e a grande mídia não devem contar conosco para quebrar a esquerda, não seremos joguete de ninguém”, dispara. Amaral não poupa os tucanos. Diz que o partido se confunde “com a figura lamentável” de José Serra, candidato derrotado à Prefeitura de São Paulo. “Trata-se um político velho, reacionário, atrasado e provocador”, classifica. (Da coluna poder online)