sexta-feira, 6 de junho de 2014

Presidente do Banco Mundial elogia o Bolsa-Família

O presidente do Banco Mundial, Robert Zoellick, elogiou em discurso nesta quinta-feira, 23, o Bolsa-Família, implantado no Brasil, citando o programa como um dos exemplos de projetos de transferência de renda para suporte e segurança social. O México também foi lembrado por seus programas. Ele disse que este tipo de programa, com destinação de recursos equivalente a "menos de 1,5% ou 1% do PIB" do País em que é implementado, "mostra que se pode fazer verdadeira diferença com programas modestos". Zoellick disse ainda que o Banco Mundial irá ampliar financiamento para o Brasil, mas não citou valores específicos que serão direcionados ao País. O chefe do Bird afirmou que a América Latina como um todo deve receber US$ 35 bilhões ao longo de dois anos. Zoellick reconheceu que o Brasil começou a crise "em posição melhor, pois nos últimos 10 anos fez muito para desenvolver reservas internacionais, melhorou produtividade, tem o tipo de programa que mencionei (social), mas inevitavelmente será também atingido pela crise mundial". O País, continuou o executivo, "tem a vantagem de ter uma economia de dimensão continental, então pode depender mais da demanda doméstica". No entanto, Zoellick observou que, mesmo com a população crescente de renda média, ainda há "muitas pessoas pobres. E, muito destes pobres, têm muito pouco ou nenhum amortecedor (proteção contra a crise)". Ele comparou os efeitos da crise nos países desenvolvidos, citando que nestas economias a população perde casas e carros. Quando o choque atinge as economias em desenvolvimento, "não há lugar para se ir, não tem comida, não tem proteção. Então este é um exemplo de onde precisamos trabalhar com as autoridades brasileiras", afirmou. Segundo o presidente do Banco Mundial, o País "tem boas estruturas em ação, mas precisa assegurar que haja o recurso necessário".

Mentira descarada
Há uns três dias circula nas redes sociais mais uma molecagem da oposição brasileira, dizendo que deputados aprovaram o fim do décimo terceiro salário e que já estaria sendo aprovada no Senado e que logo em seguida iria para sanção da presidenta Dilma. Mentira descarada. Sem-vergonhice das mais baixas desta oposição que está completamente perdida, querendo inventar uma bala de prata contra a presidenta na tentativa de retorno da tendência de queda de Dilma nas pesquisas. Mas é muito cedo. Falta quase um semestre para as eleições.

A que ponto chegou a USP
O Ministério Público de São Paulo está investigando denúncias sobre venda ilegal de órgãos para faculdades e hospitais particulares por funcionários do Serviço de Verificação de Óbitos da capital (SVO), entidade que faz parte da Faculdade de Medicina da USP. A Promotoria suspeita que o serviço, que fica dentro do Hospital das Clínicas, seria omisso na busca por familiares de pessoas que morreram sem amigos ou parentes por perto. Segundo investigação do MP, sem pedir autorização às famílias, o SVO conseguiria extrair e vender órgãos ilegalmente para uma rede de instituições de pesquisa e atendimento médico.

Renunciar
Rosalba está mesmo disposta a renunciar ao mandato, abrindo chance para Robinson Faria disputar o Governo no exercício do cargo? Sinceramente não sei. Até nem creio. Mas também não duvido. Rosalba hoje é uma fera ferida. Agredida, traída pelos seus correligionários de ontem. Aqueles de quem ela chegou a declarar, mas a mídia cheia de conveniências calou diante de declaração tão bombástica. Disse que eles saíram do governo porque queriam roubar e ela não deixou. Será mentira ou será verdade que ela renunciará? Será mentira ou será verdade que eles queriam mesmo roubar? Tem quem combate histórias cabeludas dos bastidores de secretarias ocupadas por esta gente alegre antes do rompimento. Como dizia um velho amigo nosso: Sei lá... O que sei, de certeza, é que nesta semana já tinha rosalbista roxo, lá para as bandas do Café Bagdá, dizendo que votará em Robinson e Fátima Bezerra.