sábado, 30 de maio de 2015

O nazifascismo fazendo seus exercícios no Brasil

Marco Weissheimer, do site Carta Maior, traz matéria informando o que houve em um voo Porto Alegre/Brasília, quando um cidadão foi agredido por um grupo de insanos pelo simples fato de estar lendo a revista Carta Capital. É o puro fascismo em exercício, fortalecendo músculos para começar a queima de livros e depois a queima de gente, como os nazistas fizeram com os judeus. Até mesmo o conteúdo nazistoide já existe, que é o ódio aos nordestinos que, na sua santa ignorância, eles consideram como uma “raça”. E ainda tem o ódio aos negros cotistas e aos índios e haitianos. Quando embarcou em um voo em Porto Alegre rumo a Brasília, na manhã de quarta-feira (27), o comerciante Elbio de Freitas Flores, de 65 anos, não suspeitava que a escolha de uma leitura para a viagem iria provocar uma agressão inusitada. Quando o avião aterrissou em Brasília, um grupo de cerca de 20 pessoas, localizadas na parte de trás do avião, começou a entoar gritos contra Dilma, Lula e o PT. Esse grupo estava chegando em Brasília para participar do ato liderado pelo Movimento Brasil Livre pelo impeachment da presidenta Dilma Rousseff. O comerciante relata que, enquanto aguardava a abertura das portas do avião para desembarcar, foi interpelado e agredido verbalmente por um desses homens pelo fato de estar carregando a Carta Capital, “uma revista idiota e lida por idiotas”, segundo o agressor. Além disso, aos gritos, foi chamado de “bolivariano” e “do Foro de São Paulo”. Elbio Flores resolveu não ficar quieto diante do ataque e chamou o agressor de golpista, entreguista e integrante da TFP (Tradição, Família e Propriedade). “Eles se mostraram muito covardes e tentaram me intimidar com gritos e impedir que eu falasse, tudo porque eu estava lendo a Carta Capital”, relatou. Um dos integrantes desse grupo gravou o ocorrido com um celular. Um trecho de 1min30seg foi publicado na página do deputado estadual Marcel Vam Hattem (PP-RS), com o seguinte texto: “La Banda Loka Liberal pousa em Brasília: faz um avião inteiro feliz e deixa um petista raivoso magoado”. O comerciante resolveu falar publicamente sobre o caso, pois entende que estão ocorrendo agressões semelhantes a essas que devem ser respondidas. “Já ouvi vários relatos de casos semelhantes e não podemos ficar calados. Eles tinham o comportamento característico de covardes e despreparados. Estavam constrangendo as pessoas, agindo em bando, como uma matilha. Os partidos democráticos têm que reagir diante desse tipo de agressão. Tenho amigos no PP, no PSDB e em vários outros partidos e convivo com urbanidade e respeito com eles, sem agredir ninguém. Fui agredido e reagi”. Esse tipo de postura, acrescentou Elbio Flores, “revela um espírito obtuso e retrógrado, um pensamento obscurantista e autoritário que despreza a democracia, a liberdade de expressão e as diferenças de opinião”.

Manobra inconstitucional
Depois de ver derrotada, na última terça-feira (26), a sua proposta de financiamento de campanhas, Eduardo Cunha realizou uma manobra regimental para colocar novamente a matéria em votação. A bancada do PT não reconheceu como legítima a manobra. O líder do governo na Câmara, deputado José Guimarães (PT-CE) afirmou: “A grande lição é a de que, daqui para frente todas as votações têm que seguir o regimento 100%. Não podemos aceitar o uso do acordo político para atender a vontade desse ou daquele”. Juristas já se colocaram contrários à ação do presidente da Câmara dos Deputados, afirmando ser inconstitucional votar duas vezes o mesmo tema.

Hipocrisia
Um deputado federal foi flagrado assistindo a um vídeo pornô no celular durante a sessão de quarta-feira (27) que votou parte da reforma política, segundo informou o SBT. Tratava-se do parlamentar João Rodrigues (PSD-SC).  Enquanto o deputado assistia ao vídeo, outros colegas apareceram para ver do que se tratava. Segundo a reportagem, as imagens mostravam atos obscenos e, por isso, foram borradas. Em cima da mesa, havia um convite para um ato religioso, revelando a imensa hipocrisia da maioria dos nossos políticos. Parece que a propensão pela pornografia entre deputados não parou há trinta anos, quando o deputado potiguar e atual ministro do Turismo, Henrique Alves, foi flagrado curtindo a playboy. Ulisses Guimarães já dizia que o poder é afrodisíaco...