segunda-feira, 29 de junho de 2015

Aécio se delata: doação da UTC foi para dar "alforria" a empreiteiros

Afonte desta matéria é o Blog Amigos do Presidente Lula, mas como se pode ver, ela foi feita a partir de uma matéria do jornal Estadão que nada tem de petista. Muito pelo contrário. É uma fresta que se abre na cortina de ferro montada para blindar e na cortina de fumaça erguida para confundir a nação. Cortinas que se erguem em torno da oposição demotucana, com especialidade dos tucanos de alta plumagem. A mídia tem se esforçado por demais para esconder os crimes de Aécio Neves. Mas um dia, escapa alguma coisa, como essa notícia. Até porque o Estadão deve ficado bastante irritado com a burrice de Aécio Neves ao admitir que estava recebendo propina das empreiteiras para “alforriá-las”. Alforriá-las de quê? Do PT? Das CPIs da vida? CPIs estas que o próprio PSDB pede a cada eleição? Enfim... aos poucos, vai ficando claro que há um jogo de pedir CPI da Petrobras a cada eleição. Isto tem três objetivos: 1. Criar um clima de instabilidade na economia; 2. Gerar noticiário contra o governo e o seu partido; 3. Extorquir os diretores corruptos que o próprio PSDB deixou dentro da Petrobras desde os tempos FHC, como Paulo Roberto Costa. E assim como os bandidos das favelas do Rio de Janeiro, que atacam o comércio assustando seus donos e depois voltam extorquindo dinheiro para “lhes dar proteção”, Sérgio Guerra e Aécio “velho de guerra” e o restante da cambada age desta forma: mordem e depois sopram. E o sopro tem preço. E quem pagava o preço eram os bandidos que eles mesmos deixaram plantados nos cargos chaves da Petrobras. Um crime quase perfeito. Mas, como se diz na gíria policial, “um dia a casa cai”. E agora é o próprio Aécio quem toca fogo no telhado de palha da casa do crime do PSDB. Vejamos a matéria do Estadão e vamos detalhar nas Notas Curtas, com a matéria do blog:

Ato falho
Em inacreditável ato falho, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) confessou que só tinha a oferecer "alforria", ou seja, livrar a empreiteira UTC em troca das doações eleitorais para sua campanha. Aécio disse "alforria" do governo do PT, mas a expressão cai como uma luva na prática delatada de tucanos pedirem CPIs da Petrobras e depois exigirem propinas dos empreiteiros envolvidos para enterrar a investigação.

Guerra é guerra
O ex-diretor corrupto da Petrobras Paulo Roberto Costa delatou o ex-presidente do PSDB Sérgio Guerra. Declarou que o tucano exigiu R$ 10 milhões de propina para dar "alforria" na CPI da Petrobras, realizada em 2009. Costa confirmou no depoimento da CPI atual. Aécio Neves é sucessor de Sérgio Guerra na presidência do PSDB, e promoveu outra CPI em 2013.

No caderno
Anotações apreendidas pela PF no escritório da UTC em São Paulo, no ano passado, apontam negociações de bastidores de empreiteiros com o senador Aécio Neves para não aprofundar na CPI. 

Fazendo “circo”
As anotações dizem que Aécio teria escalado Mario Couto (PSDB-PA) e Álvaro Dias (PSDB-PR) para “fazer circo”.

Gerando noticiário
Uma das anotações diz que no Senado a apuração estava esvaziada e que o problema maior seria no Judiciário. E ainda destacava que o objetivo da CPI não era apurar, somente “gerar noticiário”. Só contra o PT, é claro.