quarta-feira, 8 de abril de 2015

Com Michel Temer, Dilma deu xeque-mate no PMDB

Quem tem um aliado como o PMDB não precisa de oposição para viver arrancando cabelos. Mas a guerra do PMDB não é só contra Dilma. Ela também é interna. Renan se junta com Cunha para sufocar a presidenta, mas briga com Cunha por ministérios e os dois juntos, com ajuda de Henrique vêm fazendo um claro trabalho de escanteamento do vice-presidente Michel Temer. Dilma demorou a entender isto. Mas agora que entendeu, entrou na queda de braço e chamou temer para perto de si. De uma tacada detonou parte do poder dos dois presidentes legislativos, prestigiou Michel Temer, ganhando nele um grande aliado para salvar os mandatos dos dois contra a luta dos que querem um golpe onde o vice jamais assumiria. Não bastasse esse gol, Dilma ainda jogou um osso no meio dos dois gulosos. Ofereceu o Ministério do Turismo a Henrique que é peixe de Eduardo Cunha, mas este Ministério está com um apadrinhado de Renan. De quebra, Dilma acabou um ministério, jogando suas atribuições para a vice-presidência, quebrando uma beirinha do discurso de enxugamento da máquina e ainda botou os dois defensores do fim de ministérios para brigarem por um... ministério. Tereza Cruvinel retrata bem a vitória de Dilma em meio a tantas derrotas: A presidente Dilma desta vez fez um gol, é o que dizem quase todos no Congresso neste momento, ainda sob o impacto da transferência das atribuições de coordenador político ao vice-presidente Michel Temer. Ele é habilidoso, tem liderança no PMDB e trânsito no Congresso. Poderia ter recusado com a desculpa das funções institucionais da vice-presidência. Aceitou em claro sinal de que não vai jogar contra o governo. Aceitando, terá que mostrar liderança no partido. Ou seja, passou a ser uma cunha entre o partido e o poderoso Eduardo Cunha. Por isso, ao invés de festejar, como seria natural em um partido normal, alguns peemedebistas fizeram cara feia. Agora, como poderão fazer carga contra o próprio Michel Temer. Ou a bancada e Cunha se compõem com Temer, ou vão disputar e até trombar com Temer. Dilma fez um gol, mas para dar certo, ela terá que dar caneta para Temer, diz um experiente congressista. Ela terá que ter poder para negociar, conceder e fechar acordos. E Dilma não poderá desautorizar seus acordos, como já fez com outros coordenadores.

O fechador
‘Eduardo Cunha é especialista em fechar portas’, diz a deputada Maria do Rosário. A deputada fe-deral Maria do Rosário, do PT do Rio Grande do Sul, acompanhou na tarde desta terça-feira (07/04), um dos trabalhadores que chegou desacordado no departamento médico da Câmara dos Deputados, vítima da violência policial durante o protesto contra o projeto de terceirização. 

Terceirização
O processo de legalização da terceirização que marcha em rota batida para uma aprovação no Congresso nacional é uma das piores derrotas da classe trabalhadora.  A classe média que foi às ruas contra Dilma em 15 de março também será altamente prejudicada vendo seus bons empregos serem tomados por trabalhadores de salários e direitos aviltados. E verá quem são seus inimigos. Exatamente os seus ídolos de 15 de março.

Trabalho escravo
Os que estão lutando pela regulamentação do trabalho terceirizado que supostamente beneficia 12 milhões de trabalhadores, além de prejudicar 45 milhões de trabalhadores formais, traz em si uma questão ideológica muito interessante. Quem são os deputados e senadores que estão defendendo esse projeto? Exatamente os que criticam as condições trabalhistas dos médicos cubanos acusando o governo brasileiro de fazer trabalho escravo. E são também os mesmos que odeiam Lula e Dilma porque deram direitos trabalhistas antes negados às empregadas domésticas.

Pêsames
Nossos pêsames a toda a família de Goretti Medeiros Diógenes, esposa do presidente municipal do PT, Gilberto Diógenes. Goretti foi uma heroína na luta pela vida. Que Deus a tenha no melhor dos ambientes celestes.