sexta-feira, 24 de abril de 2015

Juíza do Trabalho adverte: terceirização vai criar “carcaça de empresas”

A confusão está instalada dentro do próprio PMDB. Eduardo Cunha empurra de qualquer jeito o projeto de terceirização sem limites. Mas Renan Calheiros, do mesmo PMDB, já disse que no Senado não será  assim e o projeto vai andar em ritmo normal, e no ritmo normal a votação pode se arrastar por meses, chegando a 2017. É uma queda de braço dentro do próprio PMDB, o partido que está operando a inviabilização do governo do PT. Aliado falso, que age como inimigo. Cunha, enfronhado com alguns avanços do seu projeto arrogante de poder pessoal, já disse que vai peitar o Senado e, no caso de Renan demorar com as coisas do seu interesse, ele vai boicotar também leis que forem de interesse do Senado. Tivesse uma imprensa digna neste País e esse Eduardo Cunha, homem cheio de nós pelas costas, seria tratado a porrete de jucá. Na Folha de S.Paulo da terça-feira que passou, a juíza do trabalho Patrícia Almeida Ramos, presidente da Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho de São Paulo, mostra que este projeto que autoriza a terceirização em qualquer atividade de uma empresa representa “um retrocesso na discussão sobre direitos trabalhistas feitas nas últimas décadas” no Brasil. A juíza discorda frontalmente dos que defendem a terceirização com o argumento de que ela reduzirá o desemprego e trará segurança jurídica. Para Patrícia, a lei simplesmente criará “carcaças de empresas, empresas que são meras fachadas, mas que não respondem por nada porque até sua essência já foi terceirizada”. A magistrada do Trabalho sustenta sua argumentação com a pergunta: “O que significa ter uma empresa se a marca é apenas uma controladora de empresas terceirizadas?” E fulmina: “A aprovação do projeto 4.330 aumentará o índice de desemprego, pois os empregados terceirizados terão de aumentar sua carga de trabalho para receber um salário significativo, o que reduzirá o número de vagas”. Os trabalhadores, por sua vez, através das suas centrais sindicais mais combativas, estão preparando uma greve geral. Enquanto isso, os dois presidentes das Casas parlamentares estão medindo forças numa queda de braço de caráter absolutamente pessoal.

Recuperando
A Petrobras está se recuperando. Depois da divulgação do balanço, mesmo com todos os problemas, as ações da companhia petrolífera dispararam no mercado. E, o que é melhor, os setores que estão em torno dela estão todos se recuperando, exceto as empresas implicadas com o Lava Jato que, por força das irresponsabilidades do juiz Sérgio Moro, estão travando.

Trapalhadas
 O juiz Sérgio Moro teve que retroceder na decisão de mandar prender arbitrariamente a cunhada de João Vacari Neto, tesoureiro do PT. O mesmo tinha acontecido com Carlos Cozensa, diretor da Petrobras, contra nada foi provado, nem mesmo como simples acusação. Ao final, quando tudo for história, saberemos quantas “pedaladas jurídicas” o juiz Sérgio Moro, a exemplo de Joaquim Barbosa, deu para prejudicar o PT. 

 FotoLegenda